Seguidores

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

PÁ PÁ PÁ PÁ PÁ


Filhotinhos e filhotinhas desta semi-travesti carioca de baixa renda, mas com vocabulário lapidado nas fornalhas de Coquetel Bronze, Prata, Ouro e Marfim da Ediouro.
Hoje venho aqui pra lhes desfiar um rosário de penas e lamúrias, tão pretérita, lacustre e parva que fico com a violência desta cidade.
E ainda querem fazer Olimpíada por aqui, gente...
Se bem que estamos treinados em corrida de obstáculos, salto sobre mendigos-dormindo-na-calçada e fuga de bala perdida.
Enfim... Vamos ao assunto, pra vocês entenderem o porquê desta minha cara toda amassada dos solavancos que levei na casa de Brígida Fofolette e Debby Rolicinha, gêmeas-travas-gordas e coordenadoras da ala das baianas da escola de samba "ALEGRETES DO JABÚ".
Sábado passado, elas fizeram um mocotó amigo pra apresentar as fantasias pra 2010. Me ligaram na sexta avisando.
E eu, que não perco uma oportunidade de vender meu JEQUETI,minha HERMES e minha NATURA, me preparei folgazã pra empreitada antropológica de visitar minhas amigas travasfantes e seus discípulos.
No dia do babado, cedinho, comecei a produção fofa que incluía calça de elástico, pra poder comer sem ter que ficar toda desbucetada, de fecho-ecláir aberto, reclamando que precisa de um Eno guaraná, pra se sentir digna.
Cheguei na festa, e a JOVELINA PÉROLA NEGRA gritava as adversidades entre legumes, numa certa feira sem-luz no meio da Pavuna.
Era tanta gente feia, que se alguém tirasse uma foto do elenco e pintasse de azul, todos achariam que se tratava de uma pintura de PICASSO feita sob efeito de uma forte crise de labirintite, daquelas bem risonhas e límpidas, como caminhar sobre paralelas numa linda manhã de setembro.
Um cachorro fedendo a chulé e duas galinhas magras completavam a fauna.
A uma certa hora, soube que o cachorro se chamava ARALHO. Brígida inflava os pulmões pra gritar, a cada vez que encontrava algum ossinho que pudesse alegrar seu bicho:
VEM CÁ ARALHO!!! DEIXA DE SER SAPECA, ARALHO! É PRA COMER! NÃO BRINCA, ARALHO!!!!
E lá vinha ele abanando seu rabinho rescendente a calcinha de mulata, depois de samba em inauguração de loja de colchão em dia de calor em Bangú.
Fiquei putrefata, totêmica e aristotélica.
As irmãs trava-rinocerontes estavam num modelito Du Loren, com penachos na cabeça e um pegnoir com a cara do Zico.
Não me perguntem por que. Deve ser quisila de Oxossi.
Brigida Fofolette era a mais bonitinha de todas e ostentava uma virilha tão depilada quanto uma casca de coco seco.
A barriga tinha tanta estria, que parecia aquelas forminhas de brigadeiro em festa de gente humilde, que vontade de chorar.
A perna com tanta micro-pereba de ácido úrico, que se ela pintasse cada uma de prateado, poderia usar como mapa de galáxias pelo Planetário nacional.
Não descreverei o resto do lay-out de Brígida, nem a singeleza de Debbynha porque... "we are the world, we are the children" e ADALAT tá difícil de achar na farmácia popular.
Uma das convidadas, uma veterana da escola de samba, cismou comigo e disse em bom vernáculo que não tinha ido com a minha cara.
Me chamou de "bicha-nega-preta do peito caolho" e ainda disse que só não me expulsava da festa de baixo de porrada, porque tinha feito cateterismo na quinta-feira e tava de preceito da Nanã Buruquê.
Tremi.
Desgraça nunca vem desgarrada e praquele encosto estar tão corajoso, é porque não devia estar sozinho.
Nunca vi pipa de papel ruim voar sem rabiola.
Almoço passou. O mocotó era uma água de chuca batizada...
Minha giárdia está de recesso até hoje.
Consegui vender dois rímel,um hidratante e um jogo de panelas Tefal com anti-aderente. Tava no saldo positivo.
Tudo corria às mil maravilhas: muito pobre engasgado, muita dentadura com moldura de farofa nos incisivos, muita alça de soutien saindo pelas laterais das camisetas baby-look com estampa de smilinguido e etiqueta da citycol... quando de repente...PÁ PÁ PÁ PÁ.
Escuta-se ao longe: FECHA TUDO E SE ESCONDE GENTE!!! US ÔMI TAUM INVADINU O MORRU!!!!!
Fiquei violácea, flatulente e mórbida.
A velha do cateterismo deu um duplo carpado e foi parar no banheiro que, a essa altura, já estava mais cheio que festa de macumba em dia de Cosme e Damião.
As irmãs hipopótamas fizeram "super gêmeas-ativar", tomaram forma de estalactites invisíveis de Júpiter e sumiram do mapa. Os meninos que serviam a cerveja mimetizaram-se com o muro de chapisco e nem rastro deixaram no recinto.
Permaneci cardinal, estóica e perene. Eu, no centro daquele lugar fétido, segurando minha bolsa de couro de preá da Venezuela, minhas revistinhas de encomendas e um copo gorduroso de Cintra quente.
O pá pá pá continuou percussivo e inquisidor pela comunidade.
Quando eu já aceitava minha morte como certa, o portãozinho com adesivo de SÓ JESUS TIRA EXU CAVEIRA DAS PESSOAS se abriu e dois policiais de roupa camuflada em azul escuro cheirando a Rexona Male me tomaram nos braços e me perguntaram o que eu tava fazendo na casa das gordas do haxixe.
Gente... Eu mijei seven up. Fiquei oxiúrica e reverberante. Sargento Lúcio e Cabo Ximenes me olhavam com cara de lobos vorazes, viris e varonis.
Entumecida, fluidificada, com meus olhinhos de dríade chupadeira, os convenci de que só estava ali pra conseguir uma saia rodada e pra vender uns produtinhos inocentes.
Certa de que sairia na capa do Meia-hora no dia seguinte ,consegui deles uma carona até a Central. Cabo Ximenes ainda me pagou um joelho e um suco de cajú.
Sou feliz assim.
Suja e bela.
Bjus onde o feijãozinho cresce.

9 comentários:

  1. ñ consigo parar de rir! poste mais vezeees!

    http://ligaploc.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Eu me preparo para ler os teus posts como quem vai comer a sobremesa, muito bom!

    ResponderExcluir
  3. "pintura de PICASSO feita sob efeito de uma forte crise de labirintite(..)muita dentadura com moldura de farofa nos incisivos, muita alça de soutien saindo pelas laterais das camisetas baby-look com estampa de smilinguido e etiqueta da citycol" Como sempre, me divirto muito cada vez que vc atualiza este blog! rs. Bjãooo

    ResponderExcluir
  4. Impagável! To com cólicas de risos aqui.

    ResponderExcluir
  5. Este blog tem um grave, grave defeito. Poucos textos, escritos muito esporadicamente.
    Adamascado é necessário.
    Ninguém escreve sobre o mundo real aliado a coisas da infância como vc, com tantos detalhes.
    Jequiti,Ediouro, rexona male, citycol, Cintra, eno guaraná, café com rebu, elixir de inhame, óleo paixão,biscoito mulkea,...
    afe hahhahhahahahah
    Hilário

    ResponderExcluir
  6. Água de xuca batizada, que nojooooooo!!!rs
    Adoroooooo passar por aqui e encontrar novidades das suas incurssões epopéicas...

    ResponderExcluir
  7. Tô magra de rir!! Poste mais vezes!! Pelo bem das minhas semanas chatas...

    ResponderExcluir
  8. Muito doido!!! é muito bom brincar com as palavras e suas várias possíbilidades...nossa língua é fantástica...
    valeu!!!

    ResponderExcluir
  9. Não paro de rir...muito bom!!!kkkkkkkkkkkkkk
    Obrigada por me fazer rir tanto assim..kkkkkkkkk

    ResponderExcluir